sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Junta-te a nós...

video

terça-feira, fevereiro 17, 2009

Violência no namoro

Um em cada quatro jovens Portugueses é vítima de violência nas relações de namoro.Um estudo realizado pela Universidade do Minho revela que os comportamentos agressivos são muitas vezes aceites como "naturais" e por isso são frequentemente "desculpabilizados". Actos de controlo por parte do/a companheiro/a ainda são vistos como manifestações de ciúme e confundidos com “provas de amor”.
O Conselho de Ministros aprovou uma Proposta de Lei que estabelece o regime jurídico aplicável à prevenção da violência doméstica e à protecção e assistência das vítimas.Esta campanha foi apresentada no Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, 22 de Novembro, e vai decorrer até Outubro de 2009.

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

Pelo IRS a dentro...


"Pelo IRS a dentro" é uma campanha de angariação de donativos para a Amnistia Internacional - Portugal através da consignação de 0,5% do IRS que vier a ser liquidado, sem que pague mais imposto.

Actualidade no Zimbabwe

Morgan Tsvangirai toma hoje posse como primeiro-ministro

Zimbabwianos aguardam novo Governo de unidade nacional

Finanças ficam nas mãos do número dois do partido da oposição


O Zimbabwe tem uma taxa de inflação anual na ordem dos 231 milhões por cento (!) e uma taxa de desemprego que atinge a quase totalidade da população do país. É com esta situação catastrófica que o novo ministro das Finanças zimbabweano, Tendai Biti, vai ter que lidar quando o Governo de unidade nacional entrar em funções - ao que tudo indica na sexta-feira.

A nomeação do secretário-geral do Movimento para a Mudança Democrática, MDC, foi ontem anunciada pela oposição, a qual contará com uma quinzena de ministros no Governo de unidade. Os restantes sairão do partido do Presidente Robert Mugabe, a União Nacional Africana do Zimbabwe - Frente Patriótica (Zanu-PF). "Esta equipa tem por tarefa começar a reconstruir o nosso país neste período de transição", declarou ontem o líder do MDC.
Morgan Tsvangirai vai hoje tomar posse como primeiro-ministro, um cargo criado no quadro dos acordos de partilha de poder assinados, a 15 de Setembro, entre a oposição e a ZANU-PF.

Mugabe mantém-se como Presidente depois de ter vencido a segunda volta das eleições de Junho, às quais se apresentou sozinho. Tsvangirai desistiu das presidenciais, acusando do rival de fraude, pois, para o MDC, foi o seu líder que venceu e logo à primeira volta.

A vitória de Mugabe, que quase ninguém quis reconhecer, foi antecedida de uma campanha de violência contra os opositores - que se repetiu desde a assinatura do acordo de partilha de poder.
Nem os activistas de direitos humanos escaparam e, por isso, a Amnistia Internacional pediu agora ao Governo de unidade que ordene a libertação imediata de todos os presos políticos. "Apelamos ao presidente Robert Mugabe e ao primeiro-ministro Morgan Tsvangirai para que tomem medidas concretas para demonstrar o compromisso do seu Governo com o respeito pelos direitos humanos" , disse a AI, num comunicado citado pela AFP.

Além de apresentar uma economia completamente em ruínas, de depender da ajuda da ONU para a alimentação da população e de viver num clima de intimidação, o Zimbabwe enfrenta ainda uma grave epidemia de cólera, que já fez mais de três mil mortos. A área da Saúde também vai ser atribuída a um ministro do MDC. No Interior, a pasta mais controversa, em todas as negociações, vai haver uma partilha de poderes entre o MDC e a ZANU-PF.
(Diário de Notícias)


Para conhecer os 5 apelos da Amnistia Internacional ao novo governo do Zimbabwe, clica aqui

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Darfur


A Amnistia Internacional apelou à força conjunta de manutenção de paz das Nações Unidas/União Africana (UNAMID) para que não abandone os civis refugiados na cidade de Muhajeriya, no sul do Darfur. A cidade tem sido palco para os conflitos entre o Governo sudanês e o Movimento Justiça e Igualdade (JEM), que decorrem há duas semanas, pelo que milhares de pessoas procuraram refúgio na base da UNAMID. O Governo do Sudão havia apelado à UNAMID para que saísse de Muhajeriya antes do início dos ataques aéreos contra o JEM no dia 2 de Fevereiro, uma vez que o movimento controla a cidade. As Forças Armadas sudanesas e as milicias que lhe estão associadas têm um historial de bombardeamentos indiscriminados e ataques a civis no Darfur.
“A força de paz UNAMID deve apoiar o povo de Muhajeriya. Os civis continuam a ser mortos, violados e deslocados por parte de ambos os lados do conflito e é essencial que a UNAMID não retire, deixando os civis em perigo”, defendeu Tawanda Hondora, Vice-Directora do Programa para África da Amnistia Internacional.
O Governo do Sudão tem a obrigação de proteger os civis e não realizar exercícios militares que irão, indevidamente, colocar pessoas em risco. O ataque directo ou indiscriminado a civis, por todas as partes envolvidas no conflito poderá constituir uma violação da lei humanitária internacional.
Para mais informações sobre este questão, consulte o site www.pordarfur.org