quarta-feira, outubro 28, 2009

Escravizados, roubados e acorrentados

Apesar de parecer impossível a notícia é de hoje, e não de há anos atrás, e sobre um acontecimento em Portugal e Espanha.
PUBLICO.PT - Portugueses escravizados, roubados e acorrentados em quintas de Espanha: "São homens, residentes em aldeias da zona da Cova da Beira, no distrito de Castelo Branco, que, depois de aliciados em Portugal, rumaram a quintas espanholas, na região de Valladolid, onde acabaram escravizados, roubados e acorrentados para que não fugissem. A Polícia Judiciária (PJ) da Guarda encerrou ontem as investigações, que já duravam há mais de dois anos, e constituiu três arguidos, todos portugueses e da mesma família.Carla Carvalho Tomás (arquivo)

Este não é o primeiro caso de escravatura com portugueses em Espanha, em Abril de 2005, um outro foi muito falado na região de La Rioja (foto).
A história desta investigação iniciou-se em 2007, quando um dos homens que tempos antes aceitara ir trabalhar para Espanha regressou à sua terra, faminto e assustado. Haviam-lhe prometido cama, mesa e roupa lavada mas o que recebeu foi fome, encarceramento, agressões e insultos. Do equivalente ao ordenado mínimo com que lhe haviam acenado, apenas em duas ou três ocasiões teve oportunidade de ver uns parcos euros."

quarta-feira, outubro 21, 2009

Campanha Exija Dignidade, da Amnistia Internacional Portugal

video

Em Matosinhos... a não perder!

Dia 23 de Outubro, no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Matosinhos, às 21h30.
Na sequência do Dia Europeu contra o Tráfico de Seres Humanos, o Grupo de Matosinhos da Amnistia Internacional organiza uma palestra sobre o tema, tendo como convidada a Dra. Rita Moreira, da Associação para o Planeamento da Família (APF).

Lançamento do Relatório sobre Pobreza (parceria com a REAPN e o Centro de Investigação em Sociologia Económica e das Organizações do ISEG)

Os portugueses estão pessimistas: acreditam que a pobreza está a aumentar e têm baixas expectativas quanto à capacidade de recuperar dessa condição no futuro.
As conclusões fazem parte de um inquérito sobre «Percepções da pobreza em Portugal», realizado pela Amnistia Internacional Portugal e divulgado esta terça-feira, que conclui que 77% dos portugueses inquiridos têm pouca ou nenhuma esperança na recuperação de situações de pobreza.


Notícia completa aqui.

sábado, outubro 17, 2009

Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza

A Amnistia Internacional vai realizar no Sábado, 17 de Outubro, uma acção simbólica que pretende alertar os cidadãos para o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza que se comemora nessa data.


No Largo do Chiado, em Lisboa, vai encontrar um painel representativo de uma situação de pobreza em que vivem muitas pessoas. Escreva a sua mensagem num post-it e cole no mural. O objectivo é tapar a imagem representativa desta realidade com mensagens relativas ao tema, acabando assim de forma metafórica com a pobreza.

quarta-feira, outubro 14, 2009

De defensor da pena de morte a inocente condenado: conhece a história de Joaquín Martínez




Público - Justiça seria não ter passado anos no corredor da morte: "Joaquín José Martínez, equatoriano de nascimento, trocou, em miúdo, a Espanha pelos Estados Unidos à procura de uma vida nova. Mas foi lá que quase a perdeu em 1997, aos 26 anos, condenado à morte por um duplo assassínio de que seria ilibado depois de uma campanha mundial e de muita 'sorte'. Justiça? Justiça seria não o terem feito passar cinco anos na Prisão Estadual da Florida, incluindo três no corredor da morte, disse ao PÚBLICO, em Lisboa, onde veio falar, a convite da Amnistia Internacional Portugal. Fala do que passou, dos amigos que lá deixou, mortos, da angústia que enganava lendo cartas, muitas de portugueses, das noites em que, às escuras, sussurrava com os companheiros das celas ao lado. Hoje, aos 39 anos, é um adversário da pena de morte, luta de que fez uma espécie de profissão para ver se tira da Florida os amigos que ainda lá deixou vivos. Ao princípio perdeu a esperança. Hoje sobra dela: acredita que mais cedo do que tarde os Estados Unidos passarão para a lista dos países abolicionistas. Já dorme melhor. Mas qualquer tilintar de noite o faz saltar na cama, quando às vezes é só o fio que Mónica, a actual companheira, traz ao pescoço. Olha com impressão para o número 202, da porta do quarto do hotel, o mesmo da cela onde esperou por um milagre. Mas abraça com entusiasmo os dias que faltam para o fim da pena de morte no mundo."




Leia a entrevista completa no Público




Não perca as conferências em Lisboa, Porto e Coimbra!



sexta-feira, outubro 09, 2009

"Casa das Assinaturas" - junta o teu nome


Amnistia Internacional Portugal: "A partir de 5 de Outubro, Dia Mundial do Habitat, a Amnistia Internacional lança uma campanha sobre os desalojamentos forçados no continente Africano e convida as pessoas de todo o mundo a juntarem o seu nome à “Casa das Assinaturas”, uma casa para os Direitos Humanos em África.

Algumas destas “casas” serão apresentadas aos líderes Africanos cuja influência pode pôr um fim aos desalojamentos forçados na região. Outras serão enviadas aos activistas de direitos humanos Africanos em solidariedade com o seu trabalho, muitas vezes levado a cabo num clima de repressão.

A AI Portugal convida-o a assinar esta petição em nome das mais de 10,000 famílias vítimas de desalojamento forçado em Angola, desde 2001. Quando reunirmos 10,000 assinaturas, estas serão entregues ao Embaixador de Angola em Portugal. A data da entrega depende de si! E o tempo urge para estas 10,000 famílias!"

Junta o teu nome à casa das assinaturas!

quinta-feira, outubro 08, 2009

Primeira condenação à morte de um dos manifestantes de Teerão - PUBLICO.PT

Primeira condenação à morte de um dos manifestantes de Teerão - PUBLICO.PT: "Pena foi anunciada na segunda-feira

Um tribunal iraniano condenou à morte um homem que participou nas manifestações que rodearam as presidenciais de Junho, informou o site reformista Mowjcamp. Esta é a primeira notícia sobre a imposição da pena capital contra aqueles manifestantes pró-oposição.

Mohammad-Reza Ali-Zamani ficou a saber na segunda-feira da decisão do juiz, adiantou a mesma fonte. Não são conhecidos os detalhes das acusações que pendiam sobre ele, mas em Agosto a agência semi-oficial Mehr adiantara que Ali-Zamani estava a ser acusado de ter lutado contra o sistema islâmico e que era membro activo de uma associação monárquica “terrorista”, entre outros crimes. Também não há, até agora, comentários das autoridades iranianas à condenação."

quarta-feira, outubro 07, 2009

Estatísticas assustadoras sobre abuso sexual de menores são publicadas em relatório da UNICEF

Entre cinco e dez por cento das crianças dos países industrializados são vítimas de abuso sexual grave, diz Unicef - PUBLICO.PT:

"Entre cinco por cento e 10 por cento das raparigas e cinco por cento dos rapazes que vivem nos países industrializados são vítimas, em certo momento da sua infância, de abuso sexual com penetração. A estimativa é apresentada num relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) hoje divulgado.

Um número três vezes maior de crianças sofre alguma forma de abuso sexual”, relata o documento que tem como título: “Progresso para as crianças: um balanço da protecção da criança”.

Os estudos citados traçam um cenário negro. “A cada ano, pelo menos quatro por cento das crianças dos países industrializados são vítimas de maus-tratos físicos e uma em cada dez é vítima de negligência ou maus-tratos psicológicos.” Em 80 por cento dos casos, os agressores são os seus pais ou tutores.

Em muitos destes países, uma larga maioria dos adultos continua a achar que os castigos corporais são aceitáveis. E aplicam-nos. A pobreza, os problemas de saúde mental, os baixos níveis de escolaridade, o consumo de drogas e álcool e um historial de violência na infância são alguns dos factores associados às famílias abusadoras."
Conheça o relatório aqui (em inglês).

Contra a pena de morte....

Richard Hughes, baterista dos Keane, vai acompanhar a Amnistia Internacional numa visita a Troy Davis preso no corredor da morte na Geórgia, Estados Unidos da América.
Troy Davis, há 18 anos no corredor da morte, irá receber o músico no dia 26 de Setembro, "Vou à Geórgia com a Amnistia Internacional para me encontrar com aquele homem notável e com a sua família; para lhe demonstrar o meu apoio e tentar chamar a atenção sobre o seu caso e para o facto do terrível efeito de continuar a executar pessoas em nome da justiça.", afirmou Richard Hughes.
Condenado em 1991 pelo assassinato de um agente da polícia, Troy Davis sempre clamou a sua inocência. O ano passado esteve a duas horas de ser executado mas em Agosto deste ano o Supremo Tribunal Americano decidiu que deveria ser realizada uma nova audiência, uma vez que as autoridades nunca apresentaram a arma do crime ou qualquer prova física que ligasse Troy ao crime e sete das testemunhas que o indicavam como culpado, sob julgamento, alteraram o seu depoimento.
A Amnistia Internacional está a promover uma petição a favor de Troy Davis "Queremos que o maior número possível de pessoas assine a petição a favor de Troy. É fundamental que as autoridades da Geórgia saibam que as pessoas sentem a injustiça da situação de Troy Davis.", afirmou Kim Manning Cooper, responsável da campanha "Contra a Pena de Morte" da secção britânica da Amnistia Internacional.

sábado, outubro 03, 2009

quinta-feira, outubro 01, 2009

Estudo científico indica que a tortura não é eficaz para convencer o interrogado a dizer a verdade

A tortura torna mais difícil recordar o passado e dizer a verdade - PUBLICO.PT: "Terá a aplicação das chamadas 'técnicas avançadas de interrogatório' utilizadas durante a era Bush, na sequência dos atentados de 11 de Setembro de 2001, levado os suspeitos terroristas interrogados a revelar informações certas, supostamente indispensáveis para impedir mais atentados, mais mortos, mais terror?

A resposta de O'Mara é simples: é totalmente errado alegar que a verdade sai da boca dos torturados. Os argumentos nesse sentido não passam de psicologia barata, de neurobiologia de café, e não resistem ao escrutínio científico à luz da neurociência moderna. Porquê? Porque pela sua natureza extrema, tais métodos de interrogatório perturbam profundamente o funcionamento e até danificam fisicamente os centros cerebrais implicados nos processos da memória humana. Ou seja, destroem a capacidade de os torturados se lembrarem do que sabem, dificultando precisamente aquilo que os torcionários pretendem: obrigá-los a revelar os planos secretos de futuros atentados."

A paixão de Isabel Allende...

video